Costa Rica

Ouça este artigo:

A Costa Rica é um país da América Central. Sua região de fronteiras delimita-se ao norte com a Nicarágua e ao sul com o Panamá. O mar que ladeia sua costa leste é o do Caribe e, ao oeste, o oceano Pacífico norte. Considerada uma república do tipo presidencialista, a Costa Rica utiliza o idioma espanhol como oficial, embora o inglês seja bastante utilizado.

Sua moeda é o Colón costa-riquenho e a capital e cidade mais populosa é São José. A área total da nação é de 51.100 km² e sua população chega a 4.669 milhões de habitantes, com ¼ vivendo na capital. Sua povoação é essencialmente urbana (70%), com cerca de 30% de habitantes em áreas rurais. Segundo o índice de 2015, o analfabetismo na Costa Rica chegava a 2,2%.

Devido a fatores históricos, a composição étnica da Costa Rica apresenta uma maioria de mestiços ou brancos (83%), mulatos (6%) e outras etnias como indígenas e negros em um índice de 3,5%. Pelo lado religioso, a maior parte da população é católica romana, com 13% de evangélicos, 1% de testemunhas de Jeová, entre outras. Em 2013, o PIB (Produto Interno Bruto) da Costa Rica era de US$ 41,27 bilhões e o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) era de 0,763.

Mapa e localização da Costa Rica na América Central.

Colonização pela Espanha

Em 1502 ocorreu o descobrimento do território da Costa Rica por Cristóvão Colombo. Sua tripulação realizava a quarta viagem na direção do chamado Novo Mundo. Entretanto, ao contrário da abundância de recursos minerais e força de trabalho nativo encontrados em outras terras, a Costa Rica era carente no que se refere às minas de prata e ouro, além de ter uma povoação de índios escassa. Um povoado batizado com o nome Cartago foi fundado em 1563, tornando-se a capital naquele período.

Independência

Em 1821 a Costa Rica tornou-se uma nação independente. Assim, passou a formar a República Federal da América Central. Entretanto, este pacto formado por diversos países foi dissolvido em 1839 e, desta forma, cada integrante optou por sua independência. Devido a estes fatores, em 1848 a Costa Rica tornou-se uma República.

Em conjunto com outras nações centro-americanas, o país corroborou para derrotar o aventureiro norte-americano William Walker, em 1856. Walker era conhecido por subjugar e explorar nações da América Central. Ainda naquele ano surgiu a figura de Juan Santamaría, considerado um herói da Costa Rica devido ao destaque obtido na batalha de Rivas da Nicarágua.

Século XX

Bandeira da Costa Rica.

Em 1929 ocorreu a Grande Depressão nos EUA e posteriormente a Segunda Guerra Mundial, fenômenos do século XX que tiveram impacto preponderante na Costa Rica. Assim, o modelo agroexportador – principal do país – entrou em crise.

Na década de 1930 houve a fundação do Partido Comunista da Costa Rica, tendo como líder Manuel Mora Valverde. Ocorreu em 1934 uma grande greve em relação à produção da banana, produto de grande destaque na economia do país. Este movimento opunha-se à United Fruit Company, dos EUA, exigindo melhores condições de trabalho para os proletários do segmento bananeiro.

No começo dos anos 1950 ocorreu a fundação do PLN (Partido de Libertação Nacional), que se manteve até o final dos anos 1970 como a maior força política da Costa Rica. O PLN esteve na presidência durante 16 anos entre as décadas de 50 e 70.

Assim, até a década de 1980, a Costa Rica desfrutou de uma era de desenvolvimento. O PLN foi respaldado por uma burguesia industrial que emergia, com as novas classes médias urbanas expandidas a partir de ações do Estado, além do apoio da média burguesia rural.

Notavelmente, todos estes grupos tinham interesse na modernização da Costa Rica. O PLN mantinha o foco na função do Estado para aprimorar o desenvolvimento nos campos econômico e social. Intervencionista e propulsor, o Estado na gestão do PLN passou a aumentar as oportunidades para que a desigualdade diminuísse e as benesses sociais fossem alcançadas.

O neoliberalismo na Costa Rica

Óscar Arias Sánchez foi eleito em 2006, fazendo um governo de caráter neoliberal. Em meio à crise internacional do capitalismo, abriu a economia, diminuiu o respaldo aos produtores da área alimentícia e deu facilidades para que capital financeiro se tornasse hegemônico no país. Em seu mandato, a Costa Rica teve o maior déficit fiscal entre todos os países da América Latina, de acordo com dados da CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). Em outro aspecto, não ocorreram investimentos em políticas voltadas ao social, o que pode ser observado com o aumento da pobreza. Os mais pobres constituíam 15,7% da população em 2007. Já em 2010, este índice chegou a 19,8%. Outros setores básicos como segurança e infraestrutura também se deterioraram naquele período.

Bibliografia:

Sader, E., Jinkings, I., Nobile, R., & Martins, C. E. (2006). Latinoamericana: enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. São Paulo: Boitempo Editorial/ Laboratório de Políticas Públicas (LPP).

https://www.cmcostarica.ms.gov.br/noticia/costa-rica-40-anos-confira-sua-historia

https://www.presidencia.go.cr/costa-rica/

https://www.paulogala.com.br/guatemala-pobre-costa-rica-rica-por-que/

https://catedraparalela.unr.edu.ar/index.php/revista/article/view/104

More Questions From This User See All

Smile Life

Show life that you have a thousand reasons to smile

Get in touch

© Copyright 2022 ELIB.TIPS - All rights reserved.